AIDS 2018

Aberta Conferência Internacional de Aids. Brasil é destacado em nove sessões científicas

O evento pretende reunir cerca de 15 mil pessoas em Amsterdã. Ampliação à prevenção e ao tratamento é o foco da conferência.

23.07.2018 - 10:43
27.07.2018 - 14:35

[node:title]Com o desafio de encontrar caminhos para enfrentar o aumento da epidemia entre jovens e ampliar o tratamento, começa hoje (23), em Amsterdã (Holanda), a 22ª Conferência Internacional de Aids (AIDS 2018), o maior e mais importante encontro sobre HIV e aids no mundo. Realizada a cada dois anos, a conferência baliza a comunidade científica quanto às evidências e os avanços na pesquisa sobre HIV, sinalizando diretrizes globais de tratamento e prevenção para os países. Mais de 18 mil pessoas são esperadas no evento, que segue até sexta-feira (27), no RAI Amsterdam Convention Centre, na capital holandesa.

Atualmente, apenas 53% das 36 milhões de pessoas que vivem com HIV no mundo têm acesso ao tratamento. A edição de 2018 da Conferência tem como tema “Quebrando Barreiras, Construindo Pontes”, um chamado global para que a luta contra o HIV ultrapasse as fronteiras entre os países e os supere obstáculos do preconceito, promovendo respostas baseadas na construção de pontes entre direitos humanos e evidências científicas, adaptadas às necessidades das comunidades mais vulneráveis à epidemia.

Conferência Internacional reúne os mais importantes avanços científicos na área, incluindo pesquisas recentes sobre vacinas contra HIV, inovações no tratamento e lições aprendidas com a ampliação da profilaxia pré-exposição (PrEP) – medicamento de uso diário para prevenção do HIV – e outras e estratégias inovadoras de prevenção, especialmente aquelas voltadas aos adolescentes e jovens.

A programação do AIDS 2018 é extensa e inclui sessões científicas com destacados pesquisadores, simpósio com representantes de países, atividades culturais e concorridas sessões especiais com personalidades mundiais engajadas na luta contra o HIV, como o ex-presidente americano Bill Clinton, a atriz Charlize Teron e o príncipe Harry, da Inglaterra. O discurso inaugural da cerimônia de abertura, marcada para ter início às 14h30 (horário de Brasília), será feito pela cantora austríaca Conchita Wurst, que ficou conhecida por seu visual andrógino e voz potente ao vencer o concurso Eurovision em 2014, e que recentemente revelou viver com HIV. A abertura e as principais sessões do evento serão transmitidas (em inglês) ao vivo pelo site www.aids2018.org.

O Brasil também marcará presença no evento com um estande montado pelo Ministério da Saúde, além de participar de simpósios com outros países e apresentações de pesquisadores nacionais em sessões científicas. Dentre essas sessões, quatro são a convite da Organização Mundial de Saúde (OMS), a saber: duas para falar sobre protocolos de uso e monitoramento do medicamento dolutegravir (DTG); uma sobre PrEP; e outra sobre inovações na testagem do HIV. A pasta também irá promover um workshop sobre implementação da PrEP, em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). 

A produção científica nacional e a avaliação das políticas públicas de saúde voltadas para prevenção e controle do HIV/aids no país também serão tema de 12 trabalhos científicos produzidos por técnicos do Ministério da Saúde e que foram aceitos para apresentação na conferência. Saiba mais sobre a participação do Brasil na conferência em www.aids.gov.br.

DESAFIOS NA LUTA CONTRA A AIDS – Essa será a primeira edição do evento sob o novo horizonte dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), pactuados durante a 70ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em 2015. Os ODS constituem uma ambiciosa lista de tarefas a serem cumpridas pelos países; dentre elas, acabar com a epidemia de HIV até 2030.

Cerca de 36 milhões de pessoas em todo o mundo vivem com HIV, de acordo com dados de 2016 do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids). Mas somente pouco mais da metade delas, 53%, têm acesso ao tratamento. O aumento do HIV entre jovens e populações vulneráveis também preocupa: do total de 1,8 milhões de novas infecções pelo HIV registradas em todo mundo, no ano de 2016, 600 mil ocorreram entre jovens de 15 a 24 anos, e 80% dos novos casos de HIV, fora da África subsaariana, estão concentrados entre as populações-chave – pessoas que usam álcool e outras drogas, pessoas trans, gays e outros HSH, trabalhadoras do sexo e pessoas privadas de liberdade. Essas populações ainda experimentam altos níveis de violência, estigma, discriminação, criminalização e pobreza, condicionantes de vulnerabilidade que criam barreiras de acesso à direitos e ao cuidado integral de saúde.

No Brasil são estimadas 866 mil pessoas vivendo com HIV; destas, 84% haviam sido diagnosticadas em 2017 e 572 mil (75%) tiveram acesso ao tratamento. No país, a prevalência do HIV também é maior entre populações-chave, superior a 5% – enquanto na população geral é 0,4% – chegando a 18,4% entre gays e outros HSH e a 16,9% entre as pessoas trans. 

VILA GLOBAL – Ativistas, jovens lideranças e diversas organizações da sociedade civil se encontrarão na Vila Global, espaço da conferência que mistura sessões científicas com atividades culturais, em uma vitrine de projetos e iniciativas de ação comunitária engajados na luta contra a aids, como o desfile de roupas e assessórios feitos com camisinhas pela artista plástica e estilista brasileira Adriana Bertini – expressão de arte que serve como forma de conscientização sobre o uso do preservativo e prevenção do HIV, que pode ser vista no estande do Ministério da Saúde brasileiro, também montado na Vila Global. Lá os participantes poderão ver de perto o trabalho da artista radicada em São Paulo e até tirar fotos usando um de seus figurinos exclusivos, produzidos com preservativos com defeito ou que perderam a validade, que depois são tingidos e costurados à mão.

Outra exposição, a “Jovens do Brasil: um retrato da prevenção combinada”, reúne fotos que mostram um pouco do trabalho das Oficinas de Prevenção Combinada do HIV realizadas pelo Ministério da Saúde com jovens de todo país. A mostra fotográfica ficará em exibição no Pavilhão Jovem da Vila Global, durante toda a conferência.

SOBRE A CONFERÊNCIA – A primeira Conferência Internacional de Aids foi realizada em 1985, em Atlanta, nos Estados Unidos, ainda nos primórdios da epidemia de aids e em meio a toda incerteza, estigma e óbitos associados à doença. Convocada pela International AIDS Society – IAS (Associação Internacional de Aids), instituição criada na época para organizar a conferência, o evento reuniu esforços da comunidade científica para entender o que estava acontecendo e como seria possível enfrentar o agravo.

Exatos 33 anos depois da realização da primeira edição, a Conferência Internacional de Aids permanece com um dos principais marcos da resposta global à epidemia, consolidando-se como um fórum único de interseção da ciência e defesa dos direitos humanos. Em 2018, o evento volta a acontecer em Amsterdã, cidade que já havia sediado a 8ª Conferência Internacional de Aids, em 1992.

Conhecida por ser uma das primeiras cidades do mundo a apoiar a redução de danos – como a substituição de agulhas para combater a epidemia então crescente entre pessoas que usavam drogas injetáveis – a capital holandesa é também um centro global de pesquisa sobre o HIV. Hoje, Amsterdã faz parte da lista das “Fast Track Cities”, grupo de cidades que se comprometeram a acelerar as ações de resposta ao HIV, contribuindo para que o mundo alcance a ambiciosa meta de acabar com a aids até 2030. O Brasil conta com cinco “Fast Track Cities”: Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Curitiba e Florianópolis.

Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais
Conheça também a página do DIAHV no Facebook:
https://www.facebook.com/ISTAidsHV