Perguntas frequentes

Mostrando 31 - 40 de 45

É uma estratégia de prevenção do hiv que faz uso conjunto de intervenções biomédicas (o foco da intervenção está na redução do risco à exposição ao hiv), comportamentais (foco da intervenção está no comportamento, como forma de reduzir situações de risco) e estruturais (foco nos aspectos e características sociais, culturais, políticas e econômicas que criam ou potencializam vulnerabilidades em relação ao hiv), aplicadas no nível individual e de suas relações; dos grupos sociais a que pertencem; ou na sociedade em que estão inseridos, mediante ações que levem em consideração as necessidades e especificidades e as formas de transmissão do vírus.

O uso de álcool e outras drogas pode alterar seus sentidos e sua capacidade de decisão quanto ao uso do preservativo e de estratégias de proteção para uso de drogas. A redução de danos consiste em um repertório de cuidado, consituído de um conjunto de estratégias singulares e coletivas voltadas para as pessoas que usam, abusam ou dependem de drogas. Incluem-se nas estratégias de prevenção a recomendação do não compartilhamento de instrumentos e a utilização de materiais descartáveis, inclusive para o uso de silicone industrial e hormônios entre pessoas trans.

O acolhimento, a promoção da saúde e o cuidado nos serviços é um direito de todas as pessoas, independentemente do uso de álcool e outras drogas, silicone industrial e hormônios.

"PrEP" é a Profilaxia Pré-Exposição ao HIV. A palavra "profilaxia" significa prevenir ou controlar a disseminação de uma infecção ou doença. O objetivo da PrEP é prevenir a infecção pelo HIV, caso ocorra exposição ao vírus. Isso é feito tomando diariamente uma pílula que contém dois medicamentos (tenofovir + entricitabina).

A medicação usada para a PrEP é uma combinação de duas drogas, o tenofovir e a entricitabina. Esses medicamentos funcionam bloqueando alguns “caminhos” que o HIV usa para infectar seu organismo. Se você tomar PrEP diariamente, a medicação pode impedir que o HIV se estabeleça e se espalhe em seu corpo. Se você não tomar os comprimidos todos os dias, pode não haver concentração suficiente do medicamento em sua corrente sanguínea para bloquear o vírus.

No Brasil, cerca de 40 mil pessoas são infectadas pelo HIV a cada ano. A epidemia de HIV tem afetado desproporcionalmente alguns grupos de pessoas, mais do que outros. A PrEP é mais uma opção de prevenção para as pessoas se protegerem do vírus causador da aids.

A PrEP não é para todos. Os médicos prescrevem a PrEP para pessoas que tenham maior chance de entrar em contato com o HIV por não usar preservativos nas relações sexuais, principalmente anais. Os públicos prioritários para PrEP são as populações-chave, que concentram a maior número de casos de HIV no país: gays e outros homens que fazem sexo com homens (HSH); pessoas trans; trabalhadores(as) do sexo e parcerias sorodiferentes (quando uma pessoa está infectada pelo HIV e a outra não).

O simples pertencimento a um desses grupos não é suficiente para prescrição da PrEP. A PrEP poderá ser indicada para pessoas pertencentes aos grupos prioritários citados, que realizaram sexo anal ou vaginal sem preservativo nos últimos seis meses e/ou apresentaram episódios frequentes de IST ou uso repetido da PEP.

Se você acha que pode ter alto risco para adquirir o HIV, fale com um profissional de saúde sobre a PrEP. Se você e o profissional concordarem que a PrEP pode lhe ajudar a se prevenir, será necessário fazer o teste anti-HIV, realizar exames de infecções sexualmente transmissíveis (IST) e checar se seus rins e fígado estão funcionando bem, por meio de um exame de sangue. Se esses exames estiverem adequados, você poderá usar a PrEP.

Usar a PrEP vai demandar que você faça visitas regulares ao serviço de saúde, realize exames de acompanhamento para ver se seu organismo está reagindo bem aos medicamentos e busque sua medicação a cada três meses. Você deve tomar o comprimido todos os dias como prescrito e os profissionais de saúde irão orientar você sobre a melhor maneira de se lembrar de tomá-lo regularmente. Informe a eles se você tiver problemas para se lembrar de tomar o medicamento ou se você quiser parar de usar a PrEP.

Você não deve parar de usar preservativos porque está tomando a PrEP. Se a PrEP for tomada diariamente, ela protegerá você contra a infecção pelo HIV, mas não 100%. Os preservativos também oferecem uma grande proteção. A PrEP não protege de outras infecções sexualmente transmissíveis (tais como sífilis, clamídia e gonorreia), mas a camisinha pode preveni-las. Então, você terá mais proteção contra o HIV e outras infecções sexuais se você tomar a PrEP diariamente e usar preservativos durante as relações sexuais.

Sim, diversos estudos mostraram que a PrEP reduz o risco de adquirir o HIV. A PrEP foi testada em vários estudos com homens que fazem sexo com homens, homens que fazem sexo com mulheres e mulheres que fazem sexo com homens. Todas as pessoas nesses estudos: (1) fizeram teste de HIV no início da pesquisa para ter certeza de que não estavam infectados pelo HIV; (2) concordaram em tomar um comprimido de PrEP diariamente; (3) receberam orientações sobre sexo seguro; (4) foram testadas regularmente para infecções sexualmente transmissíveis (IST); e (5) receberam preservativos regularmente.

Os homens que fazem sexo com homens que receberam PrEP tiveram, em média, 44% menos chances de adquirir a infecção pelo HIV. Entre os homens que disseram ter tomado a maioria dos medicamentos diariamente, a PrEP reduziu o risco de infecção pelo HIV em 73%, em alguns casos chegando até 92%, dependendo da adesão ao medicamento.

Entre os casais sorodiferentes de homens e mulheres (onde um parceiro tinha HIV e o outro não), aqueles que receberam PrEP tiveram 75% menos chance de serem infectados. Entre aqueles que disseram ter tomado a maioria dos comprimidos diários, a PrEP reduziu o risco de infecção pelo HIV em até 90%.

Os estudos indicam que é seguro tomar a PrEP. Algumas pessoas tiveram efeitos colaterais, como uma dor de estômago ou perda de apetite, mas estes foram leves e geralmente passaram no primeiro mês. Algumas pessoas também tiveram uma leve dor de cabeça. Não foram observados outros efeitos adversos graves. Se você iniciar a PrEP, deve informar a seu médico se sentir esses ou outros sintomas de forma grave ou não se eles não passarem.